Nota Autor Histórico Tratamento
Nota
Autor
Histórico
Tratamento
Formação em TRE
Vídeo - Aula
Formados em TRE
Boletim
Art.traduzidos
Artigos de 2012/2013
Artigos de 2011
Artigos de 2010
Obsessão entre familiares
Crianças especiais
Conversando com os
Obsessão espiritual e a
Você duvida de sua
Em busca do Grande
O Passado deixa
Seu relacionamento
Transtorno Obsessivo
Exercer a mediunidade
Religião é diferente de
Você está preparado
Por que não sinto
Recordação de uma
Mentor Espiritual :
O que significa  a
Você tem medo de
Você está cumprindo
O melhor é aceitar
Como se proteger do
Carma Familiar
Como distinguir um
O efeito zumbi
Você sabe qual é o seu
Regressão de Memória
Regressão de Memória
Você costuma exalar
Todos conseguem
Depressão: qual o sentido
Você precisa desenvolver
Vida solitária
Síndrome do Pânico
Vampirismo
Você tem merecimento
Os obsessores
Vida após a morte:
Por que sofremos
Sua Vida...Quase
Desvirtuando-se de seu
Obsessão Espiritual:
Conversar com os
O Deus de Einstein
Você sabe quando está
Você é o obsessor
Auto-Estima
Onde está a sua
O poder da prece
Como fortalecer a sua
Por que sinto um vazio
A Verdade Vos
Por que a psicologia
Como lidar com a dor
Sem rumo na vida
Desavença familiar
O Governo
Onde está sua alma
Trabalhador da luz
Suicídio,será mesmo o
Você sofre de ataque
A vida começa com o
Você conhece o seu
Resignação ou passividade
Inteligência Espiritual
Doenças Cármicas
Até onde vai o nosso
Depressão
A Vida é um jogo
Não é prejudicial
A eficácia da fé na cura
Não basta pensar,é precis
Vida Bloqueada
Mediunidade e Loucura
Encontro entre anjos enca
Por que as perdas na vida
É possível ser feliz com
Você é uma pessoa resilie
Recordação de uma Vida pa
Você confia na Vida?
Contato com o mundo
Você está sendo
Que rumo tomar
Ficar sozinha:
Você sabe oque é
Sonhos Recorrentes - 1
Sonhos Recorrentes - 2
Progressão de Memória
Obsessores Iludidos
Para que serve a
Problemas de outras
Os Problemas
Pesadelos Constantes
EQM
Síndrome do Pânico
O Intelecto Atrapalha
Doenças provocadas
Terapia de Casal
Dependência Química
Sorte , azar ou ...
Possessão Demoníaca
Como você foi...
Medo de tomar decisões
Bullying é uma forma...
Intuição,uma...
Podemos mudar..
Ciência e ...
Somos ao mesmo
A reencarnação
Viver com Fé
Transforme sua
Auto-obsessão
Como se dá a
Quando o disc..
Obsessão...
Por que não ...
O obsessor...
Conhece-te a ti
Você vê vultos
Visão relat
Saudade e ...
Umbral
Laços Cármicos
Por que minha..
Vocês reencarnaram
LaReencarnacion
La Ciencia ...
Transforme su..
Vivir Con Fe
ComoDistinguir
Cuando...
Por que no pued
Ve bultos
Conocete a ti
Visíon
Nostalgia
Umbral
Limpeza 21 dias
Oração do Perdão
Pagamentos

 Vida solitária

:: Osvaldo Shimoda ::

São freqüentes os pacientes que me procuram no consultório por quererem entender por que sentem um grande vazio, solidão profunda, mesmo tendo um(a) companheiro(a) ou estando rodeados de amigos, parentes, etc.
Sentem-se deslocados, como não fazendo parte ou não se sentindo pertencentes a nenhum lugar, mesmo no seio de sua própria família (muitos me dizem que se sentem um estranho no ninho, não se identificando com nenhum membro de sua família em gostos, valores, formas de pensar, etc.).
Há ainda aqueles que buscam preencher esse vazio interior, essa solidão, com drogas, bebidas, sexo, ao consumir compulsivamente, ou ao se ocupar em excesso no trabalho (workaholics).

Mas em todos os casos, essa fuga ilusória não resolve sua solidão, pois o vazio interior e a insatisfação continuam presentes.
No aspecto afetivo, temos a solidão a dois, onde o casal experimenta um tédio, um vazio interior interminável. Estão juntos apenas fisicamente, pois não há carinho, amizade e cumplicidade. Daí ambos vivenciarem a dolorosa sensação de solidão por sofrerem também do medo da intimidade.

Entendo intimidade como a liberdade de ser o que se é, sem máscaras, disfarces, sem manipulação por meio de jogos de poder, de dominação.
Em outras palavras, intimidade é a expressão livre e prazenteira do que penso e sinto, sem reservas ou medo de ser julgado ou criticado, porque existe confiança. Embora a experiência da intimidade seja a forma mais rica de relacionamento num casal, é, por outro lado, a mais temida por muitos, pois não sabem como ser íntimos, cúmplices nesta jornada terrena.

Não se permitem serem verdadeiros, amorosos; neste aspecto, há casais que conversam somente assuntos triviais do cotidiano, mas não conseguem ser íntimos, expressar sentimentos de calor, ternura ou mesmo discutir seus conflitos, anseios e diferenças.
Vivem, portanto, na superficialidade, conversando só o essencial. Não percebem, mas vivem num verdadeiro torpor mental e emocional por estarem anestesiados emocionalmente.

Pode ocorrer também que o corpo e a alma estejam dissociados e fragmentados. Ou seja, seus corpos agem de uma forma, enquanto suas palavras dizem o contrário.
Proferem, por exemplo, palavras cheias de raiva com um sorriso nos lábios.
Resultado: vida íntima medíocre, limitada, sem paixão nem compaixão e profunda solidão.
Qual o aprendizado do casal?
Resgatar a capacidade de amar, ser funcional do ponto de vista amoroso, exercitando a ternura, dulcificando mais o coração.

Caso Clínico: SOLIDÃO
Homem de 42 anos, casado, um filho.


Veio ao meu consultório um homem de 42 anos, com a seguinte queixa: solidão.
Assim ele me relatou na entrevista de avaliação:
Dr. Osvaldo, me sinto só, um vazio, uma angústia, uma saudade, não tenho idéia do motivo. Sou casado, tenho um filho, minha vida financeira é estável, minha esposa também trabalha, temos uma vida muito boa. Fico até com remorso por me sentir assim. Minha esposa me perguntou por que não sou feliz com ela. Eu lhe respondi que não sou feliz com nada, que o problema está em mim.

Na primeira sessão, após o relaxamento progressivo, o paciente me relatou:
Vejo uma casa, é uma casa de época... Parece uma fazenda. É uma casa branca, toda cercada por uma varanda grande. Vejo um homem sentado em uma cadeira de balanço, ele tem por volta de 45 anos –mas aparenta ser mais velho– usa barba e bigode, está com uma roupa branca, fuma um cigarro, tem um rosto sofrido. Parece um coronel desses de plantação de café do período colonial.

Entre nessa casa – peço ao paciente.
Vejo uma família que se aproxima da casa, um homem, uma mulher e uma menina. O homem parece pedir emprego para o coronel e a mulher e a menina ficam afastadas. (pausa).
Acho que esse coronel sou eu nessa vida passada. Eu olho para a menina e me encanto com ela; ela tem por volta de 15 anos.
Sou casado, minha esposa está muito doente pela perda do nosso filho. Eu acabo dando emprego a esse homem na plantação; a mulher e a menina ficam trabalhando dentro de minha casa.
Fico impressionado com a beleza daquela menina; ela também me olha diferente, só que sou casado e ela é apenas uma menina.

Avance nessa cena e veja o que acontece – peço ao paciente.
Minha esposa faleceu e, por incrível que pareça, não fiquei triste, pois eu queria aquela moça. O nome dela é Júlia. Sinto uma sensação de liberdade, pois só assim eu poderia me casar com aquela menina, com a Júlia. Queria ser feliz, poder ter filhos, viver...
Foi o aconteceu... Vejo-me casando com a Júlia, eu estava apaixonado, fazia tudo pra ela.

Avance novamente nessa cena – peço ao paciente.
Agora, eu a vejo grávida... ela está linda, tem uma barriga linda; a criança nasce, é um menino, se chama Davi. Foi o primeiro dos sete filhos que tivemos: 5 meninos e 2 meninas. (pausa).
Sinto agora uma dor muito forte no meu corpo, estou doente e os 15 anos que vivi com a Júlia estavam pra acabar porque estou para morrer. Vejo a Júlia do lado de meu leito o tempo todo; vejo o sofrimento em seus olhos pedindo para que eu fique; sinto também que ela não quer que eu sofra. Ela ficou do meu lado até o final e dissemos um para o outro que iríamos nos reencontrar. (pausa).
Dr. Osvaldo sinto que a Júlia não é a minha esposa atual; sei que não é ela. (pausa).
Sinto aqui no consultório um ser espiritual... Ele quer falar comigo.

Veja o que ele quer falar – peço ao paciente.
É uma revelação, ele diz: ‘Sua vida dentro em breve irá mudar; o tempo de sua esposa e o seu já se cumpriram, a natureza irá se encarregar e cada um irá seguir um caminho, não haverá sofrimento, pois sua esposa também sente que está no fim, e ela também irá encontrar o seu verdadeiro companheiro. Sua Júlia está resolvendo suas pendências e, muito em breve, vocês irão se encontrar; tenha calma e paciência. Só houve a autorização dessa revelação pela sua maturidade e merecimento, pois poucos têm essa oportunidade. Fique em paz e seja feliz’!
Ele está indo embora, nem disse o nome dele.
Dr. Osvaldo, estou tão feliz, a Júlia irá voltar pra mim, meu Deus, que maravilhoso!
Sinto o meu coração saltitante, alegre, por mim e também pela minha esposa atual, pois sei que ela sofre também e eu quero que ela seja feliz, que encontre alguém que a ame de verdade.

Este paciente esteve em meu consultório em Junho de 2010, e me mandou um e-mail em Janeiro deste ano, dizendo:
Dr. Osvaldo, é com muita alegria e gratidão aos seres espirituais que me ajudam que venho dividir com o senhor e sua equipe: minha amada (Júlia) chegou. Quatro meses após a minha ida ao seu consultório, em outubro de 2010, minha esposa pediu a separação dizendo que não agüentava mais ver a minha tristeza, e eu aceitei.
Viajei a trabalho e na volta encontrei uma nova funcionária na empresa onde trabalho; quando a vi não tive dúvida que era ela, a Júlia. Fiquei maravilhado com ela, estamos namorando, é uma sensação que eu não consigo descrever; só sei que eu a amo.
Agradeço em minhas orações aquele ser que veio me dar a boa nova, acredito que seja meu mentor espiritual. Fico imensamente grato.
Muito obrigado ao senhor, Dr. Osvaldo, e à sua equipe!

Tell a Friend

Indique um amigo

Site Map